Desabafos

quinta-feira, julho 13, 2006

O Último

Sim, esse é meu último texto neste blog. Mas não, não estou deixando o "mundo dos blogueiros".
Para uma boa despedida, os poucos leitores que por aqui transitam mereceriam um bom texto; mas eu não sei escrever. E agora, o que a gente faz?
Agora, eu não sei. Faz cerca de 1 ano e meio que passo por aqui, às vezes com mais, às vezes com menos frequência, mas sempre passo. Mas nunca tive o propósito real de escrever, como me perguntaram há pouco. Até porque, como já disse, não sei. E como o título diz explicitamente, eram apenas desabafos.
Historinhas aqui e ali, de um e de outro, sobre um e outro, mas, principalmente, sobre mim. E cada texto era um parto, acreditem; mesmo os que reproduziam diálogos engraçados e apaixonados, como andei lendo há pouco - já que estou me despedindo, fui passando "página por página", por assim dizer. Mesmo os que falavam de raiva, de conversas de bêbadas, mesmo os que não faziam sentido algum, muitas vezes nem para mim mesma. Ou não.
Foram muitas lembranças - amores, dores, primeiro amor, infância, brincadeiras, conversas surreais e, de novo e principalmente, os desabafos. De todas as formas possíveis e imagináveis.
Agora, entretanto, escontro-me perdida. Completamente. Dizem alguns que é por pouco tempo, mas eu não sei. E quem é que sabe? E, por isso, só falo de coisas tristes - tirando o anjo, que virou arcanjo, que agora é mais que protetor e salvador para todas as horas, que sempre consegue tirar ao menos um sorriso gigante do meu rosto.
E as coisas estão ficando cada vez mais tristes. E por mais que a tristeza caia bem em mim, nem eu aguento mais falar, pensar ou agir assim. Mas está fora do meu controle. E o pouco público que ainda tinha a boa vontade de passar por aqui, foi embora. E tão mais que certos: que baixo-astral essa garota aí, mal-amada, hein?
E é verdade. É assim que me sinto. Mal-amada, vazia, sozinha. Sem ânimo, disposição, energia. Não quero me arrumar e só choro. Sem esquecer que o quesito "sair de casa" se resume a pouquíssimas coisas, a não ser que implique numa fuga.
É, porque sou especialista nisso. A fuga me liberta, me fascina. Leva-me a lugares onde o medo não toma mais conta de mim. Mas isso não vem ao caso agora e, mais uma vez, é uma outra história.
Vou indo. Preciso. Vocês cansaram, eu cansei. Escolhi um outro lugar, com acesso a pouquíssimas pessoas, mas que acho que não será frequentado po ninguém. De qualquer forma, é tudo efeito psicológico.
Escrever num diário, num caderno, numa carta, no word, no bloco de notas ou num blog. É o efeito de que posso, de alguma maneira, estar afetando a vida de alguma pessoa em algum lugar...que alguém pode estar passando e sentindo a mesma coisa e não se sinta tão sozinha como eu estou agora.
E não me refiro apenas ao verbo sentir.
Au revoir.

5 Comments:

  • At julho 14, 2006 3:04 PM, Blogger beto said…

    C.B. Todo mundo sente isso, eu tava assim ate bem pouco tempo.

    Quer um conselho, faz terapia que ajuda bastante, pelo menos pra mim ajuda muuuuuuuuuuuuuuuito.


    beijao

     
  • At julho 17, 2006 3:44 PM, Blogger A.L. said…

    Pena que esse espaço vai ser fechado... Pena mesmo. =(

     
  • At agosto 10, 2006 12:38 AM, Anonymous Anônimo said…

    você afetou minha vida no dias em que te conheci.
    A moça triste, que vez ou outra aparece, trajando luto, para mim a qualquer momento vai voltar a sorrir.
    Vai aprender que do mundo cinza em que vive, vai poder escolher as cores.
    As vezes não sei até quanto posso insistir em minah presença, pois você precisa de espaço pra querer se elvantar só, mesmo que no fundo queira um abraço.
    Mas também sei que não é o meu abraço que vai fazer te levantar. Nenhuma das palavras que eu falar ou o que eu fizer vai surtir efeito na tua vida, embora todos os dias eu peça a nossa senhora que ilumine os eu caminho.
    Mas eus ei qual é o meu papel an tua vida, não é de anjo, nem de arcanjo, nem de mais querido. Velo por ti, e nem preciso que tu saibas.

     
  • At agosto 27, 2006 2:13 AM, Anonymous Eu said…

    Já sei q foi o JB pelos erros de datilografia ;P

     
  • At outubro 18, 2006 12:04 PM, Anonymous Artur Malheiros said…

    Truman Capote, poupe-me, por favor! Mas você tá ficando elegante, hein?! As mulheres são o diabo, nada nelas é impossível. Espero pelo livro, ok?

     

Postar um comentário

<< Home